Aquele momento.


Eu inocentemente segurei suas mãos quentinhas enquanto olhava em seus olhos e me perdia naquela imensidão azul. No instante em que o assunto cessou e nossos lábios secaram, os semblantes de nossos rostos mudaram. Nós sabíamos o que viria depois daquele momento. Sabíamos onde aquilo iria parar. Então foi nesta hora em que desviei meu olhar para o horizonte e soltei suas mãos. Então o frio se abateu entre nós. Aquela tarde de inverno acabara de tornar-se mais fria do que de costume. Enfiei minhas mãos dentro do bolso lateral de meu casaco de moletom enquanto ela cruzou os seus e logo em seguida baixou a cabeça e depois olhou para uma direção oposta a minha. Então eu resolvi quebrar o silêncio.
- Me desculpe. – eu disse.
- Pelo que? – Questionou com um sorriso de canto.
- Pelas coisas que vou dizer agora. – pigarreei.
- Como assim? – sorriu com ar de curiosidade enquanto tornava a me olhar nos olhos.
- Talvez eu não saiba ao certo como fazer isso. – suspirei e logo em seguida continuei falando enquanto esfregava as mãos uma na outra. – Nossa, a gente aqui, sabe... Não sei ao certo se deveria falar. – desviei o olhar com um sorrido tímido.
- Já que começou, deveria continuar. – acrescentou ela sorrindo e olhando fixamente em meus olhos após dar um passo mais perto de mim.

Nesse momento um filme se passou em minha mente. Lembrei de todos os momentos que passamos juntos. Lembrei do instante em que meus olhos notaram aquela beleza encantadora que faz você perder o fôlego. Pensei em um futuro ao seu lado. Meu coração acelerou e eu entendia o porque. Ela me fazia bem apenas em estar por perto. E eu queria mais do que isso. Queria poder beijá-la e amá-la como se deve. Foi nesse exato instante que segurei uma de suas mãos enquanto tocava seu rosto com meu polegar direito, percorrendo cada detalhe daquele, cada contorno que ele tinha. Meus olhos já diziam mais do que qualquer palavra pudesse dizer. Então ela fechou seus olhos e sorriu, expressando o quão bem aquela sensação estava lhe fazendo. E nesse momento eu quebrei o silêncio.

Eu, - breve sorriso.  – eu amo você. Amo desde aquele primeiro momento em que meus olhos encontraram você. No momento em que te conheci, jamais poderia imaginar que nos aproximaríamos e nos tornaríamos amigos. Jamais poderia imaginar que com o tempo você se tornaria o meu primeiro e o último pensamento do dia. Eu não sei se é o brilho dos seus olhos ou o calor do seu sorriso, mas sei que estou completamente apaixonado por você. Eu não quero ir dormir hoje sem saber se eu mereço teu beijo. Eu não agüento mais viver nessa incerteza. Eu precisava dizer que você é tudo o que eu sempre...

 – Shiiiiuuu – disse ela pondo o dedo em minha boca. – Não fala mais nada. – sorriu. – Apenas me beije, pois já faz tempo que estou esperando ouvir essas palavras. Já faz tempo que quero esse beijo. Eu amo você, seu bobo romântico! – sorrimos entre beijos nesse eterno momento de minha vida.


Martins, Pierre - Iguaba Grande / RJ - 30 de Setembro de 2017.

Comentários