Doce lágrima



Segurei minhas lágrimas ao entrar no quarto. Marcos acabara de sair e encontrei Sophia aos prantos. Me aproximei lentamente e observei cada soluço que ela dava. Queria ser o cara que casaria com ela hoje. Provavelmente ela estaria chorando por estar feliz, ja que ela e Marcos se amam. Mas meu coração doía como nunca doeu antes. Eu estaria perdendo pra sempre a mulher da minha vida. A única chance era essa atitude desesperada. Estava perdido em meus pensamentos quando ela me questionou.

-O que você faz aqui? - Seu tom era de desprezo.
-Te pedir para não se casar. - Jamais havia me imaginado numa situação dessas. Logo me arrependi de estar ali fazendo aquele pedido. - Mas não posso impedir a sua felicidade. Não posso fazer isso contigo. Você o ama... E seja como for, só não quero te perder. Não posso deixar de estar ao seu lado; nem que seja apenas como amigo. - Baixei minha cabeça e deixei que as lágrimas caíssem.
-Cale a Boca! - Dizia ela me olhando nos olhos.
-O que? Esta louca?
-Venha cá! - Me aproximei e fiquei a cerca de três metros dela. - E se eu não fosse mais me casar?
-Mas você vai. - Disse eu com a voz trêmula enquanto sentia as lágrimas escorrerem por toda a minha face.
-E se eu não fosse? Mudaria alguma coisa?
-Mesmo que você se case, ja mudou. Eu me separei de Lurdes. Não posso viver nessa mentira com ela por causa do meu filho. São situações completamente diferentes. Eu te amo Sophia, e não vim aqui pra te confundir... -Eu não conseguia mais falar. Não podia fraquejar mais. Eu não podia destruir a felicidade da mulher que eu amo. Não depois de todos os erros que ja cometi com ela. Ela se aproximava e ja estávamos face a face. Eu a olhava nos olhos. - Vá! Se case! Seja muito feliz... Por mim!

Ela então me abraçou e desabou em lágrimas. Lembrei-me de cada momento ao seu lado. Tantos dias felizes e logo em seguida me lembrei de todas as vezes em que a perdi. Tudo o que fiz e o quando eu a magoei. Foi injusto da minha parte estar ali naquele momento. Então me afastei um pouco dela e olhei mais uma vez em seus olhos.

-Não chore. Não podemos ter mais nada. Somos amigos agora certo?! - Por mais que eu tentasse mostrar entusiasmo, sentia um amargo arrependimento em cada palavra que saía de minha boca.

Me afastei mais ainda de Sophia. Beijei sua mão e me dirigi a porta. Ao chegar, olhei para trás e deixei que a frase que eu mais queria dizer naquele momento saísse de meus lábios.

-Eu te amo minha pequena! - "Eu tentei." Foi tudo o que disse em meus pensamentos."Agora é contigo meu Deus! Se for pra ser, vai ser!" Virei-me e puxei a maçaneta para fechar a porta.
-Caio! - Ela me gritou e eu rapidamente olhei pra trás. - Quando você vai entender que eu vou ser pra sempre sua? - Eu sorri. Ao mesmo tempo fiquei receoso. Pensei: "Deus atende rápido assim a nossas orações?"

Sophia então levantou um pouco seu belo vestido de noiva e correu até mim. Pulou em meus braços e me beijou. O beijo mais fantástico que ja havia recebido em minha vida. Se misturavam com nossas lágrimas. Mas e daí? Eram lágrimas de alegria! Eu jamais arriscaria perdê-la outra vez. Como diria meu melhor amigo Pierre, "a felicidade esta dentro de cada um de nós." E a minha felicidade esta dentro do meu coração e ela se chama Sophia!



Créditos: Mariane Alfradique

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por comentar!