- Uma nova vida.




Subir a igreja de Saquarema foi difícil, quase impossível... Aqueles longos degraus se tornaram enormes e minhas pernas pesadas... Já faz dois anos... Olhar a praia e lembrar de tudo ali é uma dor terrível, mas algo me trazia aqui hoje... Fui onde haviam gavetas brancas enfileiradas, andei um pouco, havia um cheiro forte e alguns insetos voavam... Cheguei até você... Meus olhos estavam molhados e meu rosto úmido, cada lágrima que escorria por ele queimava minha face...

-Faz frio ficar sozinha... Mas esse frio não é de fora para dentro é ao contrário... - respirei fundo - Está sendo difícil ficar sem alguém que eu tanto amo, a sua perda me abalou demais, sua morte ainda assombra meus sonhos e mesmo quando estou acordada você vem me perseguir... - meu coração parecia que iria explodir de tão apertado e angustiado - Sua imagem se fixa na minha frente como se ele estivesse me observando a todo momento, isso é assustador... - olhei para trás, parecia que alguém me olhava - Eu não sei o que fazer, as vezes acho que estou ficando louca... Me perguntaram se te conhecia, ao ouvir seu nome um calafrio passou pelo meu corpo, foi como reviver tudo entende?! Eu ainda sinto você aqui... Sinto seu corpo me abraçar toda a noite antes de dormir... Seu rosto ainda fica ao meu lado me observando enquanto me olho no espelho... - uma onda de calor passou pelo meu corpo - É como antes... A unica diferença é que não está mais aqui... Ah... E a minha resposta?! - a frase saiu arranhando por minha garganta - Não mais...

Coloquei a manga de meu casaco limpando minhas lágrimas que escorriam incessantemente, fui até uma colina que havia ali perto ver o por do sol, como fazíamos antigamente... Sentei embaixo de um dos pinheiros e esperei a noite chegar, mas antes alguém sentou ao meu lado, não me dei o trabalho de olhar, estava perdida em meus pensamentos e muito distante do mundo real...


-Eu sei como você se sente... - uma voz doce vinha e eu já saia quem era.
-Oi minha linda -  limpei minhas lágrimas rapidamente - O que está fazendo aqui?
-A tia Duda me trouxe... - ela me observava com seus grandes olhos azuis cor de céu - Porque está chorando mamãe? - um nó se fez em minha garganta - É por causa do papai? - ela segurou minhas mãos com suas mãozinhas pequenas e macias.


-Não filha, a mamãe só está emocionada...

-Mas não está feliz... Eu não te faço feliz mamãe? - doeu ouvir aquilo.

-Não é isso... - eu a peguei no colo e ela se sentou na minha frente.

-Papai do céu é ruim mamãe? 

-Não filha, ele não é, ele só que fazer coisas boas para gente, mesmo que as vezes doa, Ela sempre quer o nosso bem.

-Mas se ele quer o nosso bem... Porque ele tirou o papai da gente? - seus olhos estavam cheios de lágrimas.

-Olha meu amor, a vida é assim mesmo, as vezes temo que perder pessoas que amamos, mas um dia você vai ver que foi melhor...


-Foi melhor você perder o papai?

-Não filha, não foi... Isso dói... - ocorreu um longo silêncio e resolvi encerrar o assunto por hora - Mas vamos deixar isso para depois está bem? - seus olhos brilharam ao me olhar - Quem quer um sorvete? - falei com um tom animado e seu rosto se alegrou.

-Mas você vai ter que me explicar tudo depois tá? Não quero ver você assim... Eu te amo do fundo do meu coração tá?! - foi impossível não sorrir.

-Você está muito espertinha para uma menina de quatro anos sabia?! - apertei sua bochecha de leve e depois dei um beijo em sua testa - E eu amo você minha linda... Vamos agora... Cadê a tia Duda?
-Tá lá embaixo, ela me deixou aqui e foi ver o tio Carlos.

Descemos os degraus com alguns matos em volta, fomos tomar o sorvete que Stella tanto queria, fomos para casa e tive que explicar tudo... Mas naquele dia, com ela eu aprendi que Deus sabe de tudo, mesmo que Ele te tire algo, Ele vai te dar algo para te ajudar a superar... Acredite... Eu não superei por completo, mas olhar aquele rostinho todos os dias dizendo que me ama está me ajudando cada vez mais... 


Vou curar seu coração partido com as minhas palavras de amor. Minha verdade deveprevalecer sobre todas as dificuldades, seus vínculos, provações e tribulações.


SENHOR abre os olhos aos cegos; o SENHOR levanta os abatidos; o SENHOR ama os justos;                                              (Salmos 146:8)

Comentários

  1. nossa! muito bom o texto, bastante melódico mas está ótimo.
    Muito tocante, ler textos assim me faz parar pra refletir, e refletindo sinto um enorme medo de perder as pessoas que eu amo.


    Até a próxima!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por comentar!