A lição da paciência.


Dois lados distintos de um coração confuso.
De um lado o medo, do outro a coragem.
A indecisão de uma alma ferida por um passado,
Que, mesmo oculto, se faz presente.

" - Aonde vou? De onde vim? Para onde devo ir? " 
Nada parecia fazer sentido naquele instante.
Havia um céu e um mar  diante do jovem cavaleiro indeciso.
" - para onde seguir? "

A onda então beijou os pés do jovem cavaleiro.
" - que água fria " - Exclamou.
Seu coração havia esfriado.

Fugiu então para o monte mais alto.
Pode sentir o vento em seu rosto.
" - que vento majestoso! " - Exclamou.
Glorias eram dadas ao vento, pois com o seu sopro acariciava.

 Então fechou os olhos.
O vento enganador o derrubou do monte.
Mais uma vez a dor o atormentou.

A água fria e o vento o feriam.
Tão forte soprava o vento e tão fria era a água.
Seu coração congelou.

Então olhaste para o céu e revoltou-se contra seu criador.
" - é assim que queres me dar vida? " - Questionou.
Então o seu criador ele repudiou.

Nesse instante seus olhos se ofuscaram e percebeu no sol um brilho tentador.
Sentiu seu corpo se aquecer,
Sentiu a água beijar seus pés,
sentiu o vento tocar seu rosto,
Mas o calor do sol o confortou.

Então o jovem cavaleiro olhou para o céu e deu graças a seu criador.
Pois descobriu que o que realmente importa não é o que toca a pele,
mas o brilho da luz que toca a alma é presente do Deus de amor.



( Martins, Pierre - Araruama, 05/10/2012 )

Comentários