Seguir em frente.

Quando bate a saudade, eu pego as cartas e leio e releio ... ♫

Ela estava linda. Seus cabelos levemente cacheados, seu sorriso iluminado, seus longos passos apressados... Eu podia vê-la com toda a intensidade de antes. Eu a observava enquanto todas aquelas lembranças vinham em minha mente... Eu poderia me aproximar e convidá-la para fazer qualquer coisa, mas decidi que talvez não fosse assim que eu quisesse. Talvez o certo mesmo seja a distancia. Não aquela de tantos quilômetros de distância, pois essa eu sei que vencemos; mas a distância entre nossos corações. A barreira criada pela rotina, pelos medos e mágoas...

Enquanto ela seguia com seus passos apertados eu a admirava. Sem perceber acabei sorrindo ao lembrar das nossas brigas bobas...

Eu por alguns instantes senti falta de tudo aquilo e cheguei até cogitar uma reaproximação que fora logo frustrada pela consciência. Certamente ela nem lembraria de quem eu sou ou fui.

Então eu fiquei a observando até que ela desapareceu em meio a multidão que seguia para o terminal rodoviário. Logo em seguida ergui a cabeça e segui em frente. Pois hoje sei que esse é meu final feliz: seguir em frente.

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por comentar!