Um perdão sincero


Segundo domingo de agosto. Era dia dos pais e a maioria das famílias se reuniam. A anos eu não sabia o que era isso. Mas aquele ano foi diferente. Os pais de Júlia me chamaram e chamaram a minha família para passar o domingo com eles. Afinal, eramos uma grande família agora. Eu ia me casar com Júlia. Minha mãe havia perdoado meu pai. Eles não ficaram juntos outra vez, pois ela se casou com outro cara, mas ficaram amigos. Faltava eu conversar com ele. Tudo o que eu não queria. Tinha um rancor enorme dentro de mim. Então pouco antes do almoço começar, meu pai disse que queria conversar comigo. Aquele homem forte e bravo ja não existia mais. Sua aparência era de um senhor frágil e debilitado. Haviam poucos cabelos e eles eram brancos. parecia ser 10 anos mais velho por causa de sua doença. Fomos para a varanda que ficava nos fundos. Eu me sentei na rede e ele numa cadeira que parecia bem confortável. Arrastou ela e ficou frente-a-frente comigo. A situação era bem desconfortável pra mim. Mas ver ele daquela forma acabou amolecendo mais meu coração...

-Filho, sei que errei muito contigo... reconheço cada vacilo que dei... Sei que você me detesta...
-Pai, eu...
-Shiu! ( Ele me interrompeu. ) Sei que você me detesta... Mas sei que tudo isso é uma mágoa. Uma mágoa que eu fiz você criar. Sei que errei bastante com toda a nossa família. Hoje é tarde pra voltar atrás e reescrever nossa história. Mas, eu me arrependo de tudo. Vocês não mereciam passar por aquilo tudo. Eu por muitas vezes não entendia você. Estava cego e acreditava que você me odiava. Eu acreditava que todos me odiavam... Eu julguei mau a minha família. O maior tesouro que Deus poderia ter me dado. Eu me arrependo de tudo mesmo! Faria qualquer coisa pra voltar no tempo.

Suas lágrimas desciam como dois rios. Eu também havia começado a chorar. O fato de ele ter fracassado como chefe de família não muda o fato de ele ter me colocado no mundo. Nada poderia apagar tudo o que vivemos em minha infância. Sei que muitas coisas eram escondidas de mim. Mas mesmo assim, ele foi um exemplo de homem na minha infância. O meu herói. Apesar de tantas vezes ter pedido a Deus para que aquele homem fosse tirado de minha vida, quando vi que esse momento estava prestes a chegar, retirei todos os pedidos.

-Filho, seja diferente de mim. Você tem uma vida inteira para construir. Apesar de tudo, você sabe que Júlia é uma boa menina. Se você quer mesmo se casar com ela, então seja o melhor marido que puder ser! Seja um ótimo pai pros seus filhos!
-Pai, eu sei que também errei muito com o senhor. Apesar de tudo, eu sei que o amo.
-Filho, me perdoe... Sei que não mereço, mas por favor, perdoe esse velho burro...
-Pai! Deixe de ser bobo! O senhor não é bobo. Apenas vacilou. Sabe... Dizem que o perdão não muda o passado, mas ele engrandece o futuro. Eu te perdoo pai. O senhor não precisava nem pedir!
-Eu te amo meu filho! E amo muito! Jamais esqueça disso!
-E eu te amo pai! Meu carequinha safado!

Gargalhamos juntos naquele momento. Sei que tudo o que ele disse foi de coração. Aquela cena jamais sairia da minha memória. Depois daquele dia, eu tive um paizão ao meu lado. O meu herói estava de volta. Acho que é isso que agente faz quando ama alguém de verdade. O amor apaga tudo o que destrói. Nada pode ficar acima desse sentimento. Vivi dias muito importantes ao lado do meu pai. Como por exemplo o meu casamento com Júlia. Foi uma pena que aquele tenha sido o ultimo dia dos pais que passamos juntos. Queria abraça-lo outra vez só pra dizer que o amo. Eu sinto muita falta dele. Foi uma pena eu ter esse pai por tão pouco tempo, mas ele compensou cada dia em que ele foi um "vilão". Mas apesar de tudo, eu sei que hoje ele esta no céu e sabe do quanto eu o amo! Eu vou cumprir o que prometi a ele. Vou ser o melhor pai do mundo!


Comentários

  1. Olá. Gostei do teu blog. Procuro parcerias. Se interessar-se deixa um comentario no meu blog com seu banner q te mando o meu.

    http://blogdalitynha.blogspot.com/

    kisses*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por comentar!